Divulgando oportunidades educacionais desde 08.02.2008

Seguidores do Só Cursos Grátis


Pesquisa personalizada

Siga por email

sábado, 16 de maio de 2015

Ministério da Saúde e UNA-SUS lançam curso a distância sobre saúde da população LGBT

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no site da UNA-SUS até 10 de setembro


O Ministério da Saúde (MS) e a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) lançaram nesta terça-feira (12), o curso 'Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT)'. As inscrições são gratuitas e já podem ser feitas no site na UNA-SUS até 10 de setembro de 2015.

Ofertado na modalidade de ensino a distância, o curso é voltado para profissionais de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), especialmente os que atuam na Atenção Básica, mas também está aberto a qualquer pessoa interessada no tema, incluindo gestores, conselheiros de saúde e lideranças e ativistas LGBT. Ele integra os materiais educacionais do Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (PROVAB) e está aberto também aos profissionais do Programa Mais Médicos.

O lançamento do módulo aconteceu durante a programação do Seminário de Avaliação da Formação na Política Nacional de Saúde Integral LGBT e o Controle Social do SUS, que teve por objetivo avaliar os cursos de formação para lideranças e ativistas LGBT já promovidos e construir projeto de formação para o biênio 2015-2016.

“Esse módulo de ensino à distância que estamos lançando é parte das estratégias de formação para Política de Saúde Integral LGBT e foi construído a partir do marco fundamental desta política que é a cidadania. Por isso, o curso ultrapassa os limites de pensar a assistência e o cuidado, trazendo uma reflexão sobre acolhimento, humanização e respeito. Ele tem a tarefa de sensibilizar profissionais do SUS a dizer não ao preconceito e à discriminação dentro do SUS”, sintetizou a secretária substituta de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, Kátia Souto. 

O secretário executivo da UNA-SUS, Francisco Campos, destacou a importância da parceria com as instituições federais de ensino. “Essa ideia de pegar as universidades, que são financiadas com recursos públicos, e colocá-las a serviço de políticas de equidade em saúde, que também são discutidas pelo Conselho Nacional de Saúde, é um estratégia que estamos perseguindo e que consideramos efetiva”. Atualmente, 32 universidades federais integram a rede da UNA-SUS.

CONSTRUÇÃO COLETIVA - O curso foi desenvolvido de forma intersetorial e participativa, a partir de uma parceria entre as Secretarias de Gestão Estratégica e Participativa (SGEP) e de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (SGETS) do Ministério da Saúde, e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que integra a Rede de Instituições Ensino Superior da UNA-SUS, e contou também com a colaboração do Comitê Técnico de Saúde LGBT.


O Comitê Técnico de Saúde LGBT é um espaço consultivo de participação social do Ministério da Saúde que conta com a representação de movimentos sociais LGBT, os quais contribuíram, a partir de suas vivências nos espaços de saúde, com a construção dos conteúdos do módulo.

“Para nós, da sociedade civil, é muito importante vermos o resultado desse trabalho porque somos nós que reivindicamos essa política do governo. Esse é o nosso papel, de fazer controle social, de cobrar e também de propor e apontar as necessidades de saúde de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais”, frisou Fernanda Benvenutty, conselheira nacional de saúde pelo segmento LGBT.

Já o diretor do Departamento de Gestão da Educação em Saúde da SGETS, Alexandre Figueiredo, lembrou que o curso de Saúde LGBT compõem iniciativa do Ministério da Saúde de desenvolvimento de módulos voltados às políticas de equidade em saúde, iniciados com o lançamento do curso de saúde da população negra, no final de 2014. "Para além do espaço virtual que, na verdade, é um disparador dessa formação, nosso propósito é que as práticas na saúde sejam transformadas e estejam baseadas na cidadania, no respeito e na diversidade”.

METODOLOGIA - Para ampliar e facilitar o acesso, o curso é gratuito e utiliza a estratégia de ensino a distância (EAD), em plataforma online ofertada dentro do Sistema UNA-SUS. A estrutura do curso é autoinstrucional e interativa, utilizando momentos de reflexão, vídeos e infográficos. 

Além disso, apresenta sugestões de estudos complementares relacionados à temática ao aluno que queira se aprofundar. As atividades são baseadas em situações cotidianas enfrentadas pela população LGBT nos serviços de saúde e em vivências clínicas, que aproximam o aluno da realidade e ajudam na verificação de processo aprendizagem.

CARGA HORÁRIA E CERTIFICAÇÃO - O curso tem carga horária de 45 horas e poderá ser realizado até 12 de outubro de 2015. Serão certificados todos aqueles que concluírem as atividades do curso obtendo no mínimo de 70% de acertos na avaliação somativa do curso.

PARTICIPANTES - Também participaram do lançamento Rosalin Scalabrin, secretária de Articulação Institucional e Ações Temáticas da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM/PR); Christiana Freitas, coordenadora geral de Educação em Direitos Humanos da Secretária de Direitos Humanos (SDH/PR); e Gil Casimiro, representante do diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

FONTE: Portal Saúde