Divulgando oportunidades educacionais desde 08.02.2008

Seguidores do Só Cursos Grátis


Pesquisa personalizada

Siga por email

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

PROJETO EDUCADORES/AS SOCIAIS OFERECE CURSO EM SALVADOR - BA

Acreditando na transformação social, nos desafiamos, acerca de dois anos, na construção coletiva de práticas educativas libertadoras. Esta construção articula a educação com diversas ações de caráter formativo e mobilizador nas comunidades envolvidas, tendo como estratégia central a afirmação do bem viver de todos/as.

O desenvolvimento deste trabalho tem como referencial os ensinamentos de Paulo Freire e os pressupostos da Filosofia da Libertação, efetivando uma metodologia da práxis que parte da realidade concreta, numa relação dialógica com os educandos e as educandas, para – com eles e elas – realizarmos intervenções de impacto sócio, econômico, político e cultural em comunidades da cidade de Salvador. Visando combater a pobreza e a exclusão social, de forma estratégica, articula três linhas de ação conectadas entre si:

Redes de Colaboração Solidária

Que se expressam nos aspectos:

Econômico: formação, mobilização e geração de renda articulando produção, comercialização e consumo de forma solidária.

Político: formação, organização e mobilização em prol de políticas públicas que afirmem o bem viver de todos/as.

Cultural: valorização da história e da cultura popular afirmando relações humanas eticamente comprometidas com a solidariedade e a justiça social

Educacional: construção coletiva do conhecimento através da valorização e socialização de saberes e de práticas populares libertadoras.


Ações profissionalizantes

Iniciativas com as entidades parceiras de orientação e qualificação profissional visando a criação de novos postos de trabalho seguindo os princípios da economia solidária.

Escola/Curso de Extensão

Construção de uma Escola de Formação de Educadores/as Sociais-populares multiplicadores/as da pedagogia libertadora, da economia solidária, de redes de colaboração solidária, como mais uma alternativa na promoção dos direitos universais, através de várias atividades, entre as quais a intervenção junto ao poder público e a geração de trabalho e renda de forma justa e solidária.


OBJETIVOS DO CURSO DE EXTENSÃO

  • Construir processos formativos que contribuam para desencadear estratégias de intervenção dos/as educadores/as sociais com as comunidades de forma participativa, democrática e sustentável (do ponto de vista ecológico, econômico, político, social e cultural).

  • Contribuir de forma ampla na ação profissional de educadores/as populares já atuantes em instituições e comunidades de Salvador valorizando e ampliando seus conhecimentos e capacidades de intervenção social numa perspectiva libertadora.

  • Criar, apoiar e implementar a organização de Redes de Colaboração e de Economia Solidária.

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TURMA 3

Com o intuito de implementar uma metodologia pautada na reflexão da prática dos educadores e educadoras, o currículo deste curso se propõe a ser construído a partir da realidade dos sujeitos, mediante a utilização de algumas ferramentas de diagnóstico participativo. Dessa forma, o currículo do presente curso não encontra-se estruturado em conteúdos disciplinares.

Sua carga horária está dividida entre momentos presenciais, não presenciais e estudos dirigidos.

A base dos mometos presenciais e estudos dirigidos do curso consiste na reflexão teórica das práticas dos sujeitos a partir de alguns nortedores teóricos adotados pelo curso para subsidiar, dentre outras ações, a formação de redes de colaboração solidária, como: Filosofia da Libertação, Educação Popular, Economia solidária, Desenvolvimento Sustentável, Ética e Direitos Humanos, Movimentos Sociais, Políticas Públicas, e Organização e Elaboração de Projetos.

O conteúdo dos momentos não presenciais consiste na própria ação dos sujeitos, refletidas e referenciadas pelos norteadores teóricos trabalhados e problematizados nos momentos presenciais; estas ações são caracterizadas no curso como práticas comunitárias.

Nesse sentido, devido ao caráter participativo de sua metodologia e, por ser um curso de extensão certificado pela Faculdade São Bento, será exigida um percentual mínimo de 75% de frequência e cumprimento de atividades para a assegurar o direito de certificação dos/as participantes.


Duração do curso:

12 meses

Inicio do Curso:

12/04/2008

Carga horária total do curso:

Momentos presenciais : 288 horas

Momentos não presenciais (praticas comunitarias): 192 horas

Horário:

Dois sab (08 horas) e um dom (08 horas)/mês

Dois dias/mês, não presenciais, obrigatorios, para se dedicar as práticas.


PÚBLICO ALVO

N° de vagas:

35

Perfil:

Homens e mulheres que desenvolvem atividades de caráter formativo/educativo junto à empreendimentos comunitários ou à entidades comunitárias que queiram concretizar ações voltadas para construção e fortalecimento de redes de colaboração solidária em Salvador-BA.

Critérios:

  • Desenvolver trabalho comunitário nas áreas geográficas de Mata Escura, Calabetão, Pirajá, Pau da Lima, Marechal Rondon, São Caetano, Cajazeiras, São Gonçalo do Retiro, Tancredo Neves.

  • Ter, preferencialmente, identificação, caminhada ou formação em economia solidária;

  • Estar envolvido com grupos produtivos e/ou trabalho de geração de renda e/ou formações profissionais;

  • Ser vinculados a entidades que tenham ações em comunidades;

  • Possuir escolaridade mínima, preferencialmente, ensino médio ou fundamental completo com comprovada experiência em atividades comunitárias;

  • Ter identidade e compromisso com a proposta do Projeto;

  • Pertencer a uma entidade que tenha identidade e compromisso com o Projeto;

  • Ter disponibilidade de tempo (não acúmulo de funções e/ou outras formações em andamento);

  • Ser maior de idade.

METODOLOGIA DO PROCESSO DE SELEÇÃO:
  1. Divulgação até 29/02

  2. Apresentação do projeto às entidades mediante visita de 25/02/2008 até 29/02/2008.

  3. Participaão, facultativa, do seminário nos dias 22 e 23/03/2008

  4. Levantamento, análise de currículo e confirmação preliminar de indicados para oficina de 29/02/2008 até 05/03/2008

  5. Participação de 1 oficina sobre a metodologia do projeto 07/03 (3horas a noite) ou 08/03 (3 horas de manha ou 3 horas a tarde )

  6. Análise da justificativa elaborada na oficina de 10/03 até 12/03/2008

  7. Organização da fase de entrevistas (seleção, divulgação e agendamento de horários) de 13 até 14/03/2008

  8. Intrevistas de 17 atè 20/03/2008

  9. Análise dos resultados 24 e 25/03/2008

  10. Divulgação dos resultados 26/03/2008

  11. Prazo de matrícula de 27/03/2008 atè 28/03/2008

  12. Primeiro momento presencial: 12/04/2008

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA

Para partecipar da seleçao:

- ficha de inscrição carimbada pela instituição.

- justificativa escrita elaborada no final da oficina.

Para matricula:

- Curriculum Vitae.

- Copia RG, CPF, comprovante de residencia,

- Copia historico escolar

- comprovante de escolarização.

CONTATOS:

Projeto Educadores/as Sociais em Salvador

Tv. Patriarca s/n – Ed. St. Agostinho – Apt. 303

Mata Escura - 41225-310

Salvador – BA

Tel/fax: (71)3306-4016

Secretaria_ed_soc@yahoo.com.br


quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

SATED OFERECE CURSOS PARA AFRODESCENDENTES - RJ

Estão abertas, até o dia 29 deste mês, as inscrições para 80 vagas oferecidas para as oficinas de câmera, interpretação para TV, produção e edição. Podem participar jovens afro-descendentes de ambos os sexos, com idade entre 18 e 25 anos, renda familiar de até três salários mínimos e estar cursando ou ter concluído o 2° grau. Os cursos são gratuitos e têm duração de três meses. Os candidatos devem apresentar uma foto 3x4, xerox da identidade e CPF e comprovante de residência. Interessados devem comparecer a sede do SATED, que fica na Rua Alcindo Guanabara, 17, salas 501/505, Cinelândia, Centro. Outras informações pelo telefone 2220-7209.

ESCOLA OLODUM PRORROGA INSCRIÇÕES ATE 7 DE MARÇO - BA

Até 7 de março, a ESCOLA OLODUM está inscrevendo gratuitamente para os cursos de Percussão, Instrumentos de harmonia, Dança Afro, Coral Afro, Informática Cultural – Nível Básico, Produção Cultural e Técnica em Espetáculos para Contra-regras (Rodies).

A ESCOLA OLODUM foi criada há 23 anos pela Associação Carnavalesca Bloco Afro Olodum, organização não governamental que tem como objetivo preservar e valorizar a cultura negra, buscando construir uma identidade cultural para os afros brasileiros.

A ESCOLA OLODUM é um espaço idealizado para explorar todo o potencial criativo e empreendedor dos jovens afro-descendentes, a partir de suas experiências de vida, ritmo e interesses próprios, implementando a formação de valores sociais e morais, que permita a convivência qualitativa com todos os segmentos sociais.

Em 2008, a ESCOLA OLODUM implantará uma grade curricular pluricultural envolvendo as linguagens significativas de Salvador: percussão, coral e informática para crianças e adolescentes até 16 anos e instrumentos de harmonia (guitarra, teclado e trompete), dança afro, produção cultural e técnica em espetáculos para contra-regras (Rodies) para jovens até 21 anos, trabalhando paralelamente a questão da cidadania étnico-cultural,por meio de workshops de cidadania, direitos humanos e diversidade étnica, seminários para discutir a implantação da lei 10.639/03, ensaios das oficinas, produção de um jornal e campanhas de mobilização social que visam o enfrentamento à violência sexual infanto-juvenil, a defesa dos direitos das crianças e adolescentes e pela promoção da igualdade racial.

O público alvo será constituído de crianças e adolescentes, na faixa etária de 07 aos 21 anos, que estejam matriculados em escolas públicas. Serão atendidos 330 alunos, divididos nos turnos matutino e vespertino. Para se inscrever é necessário o preenchimento da ficha de matricula, fornecida pela Escola e devidamente preenchida e assinada pelos pais ou responsáveis, xérox do comprovante de matricula em escola pública, xérox do smart cart, xérox da carteira de identidade, comprovante de residência, autorização do uso de imagem, participar da audição para aptidão para a capacitação proposta e fazer uma redação sobre o tema apontado.

A ESCOLA OLODUM busca unir prática e teoria, arte e tecnologia, valores culturais comunitários e globalização, para tornar viável a missão da Associação Carnavalesca Bloco Afro Olodum que é desenvolver o exercício da cidadania e preservação da cultura afro, por meio das artes.

Maiores informações:

ESCOLA OLODUM

Rua das Laranjeiras, 30 – Pelourinho 40026-230 Salvador – Bahia

Telefone/Fax: 3322 8069 E-mail: escolaolodum@uol.com.br

www.olodum.com.br/escolaolodum

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

CURSO DE BRAILLE ONLINE - USP

A Universidade de São Paulo (USP) cria sistema que ensina linguagem Braille pela internet

A Universidade de São Paulo criou o Braille Virtual, um curso on-line baseado em animações gráficas destinado à difusão e ensino do sistema Braille a pessoas que vêem. O programa é gratuito e pode ser salvo em pen drives, CD ou na máquina do usuário.
O curso é dividido em módulos que podem ser baixados diretamente do sítio: http://www.braillev irtual.fe. usp.br/ os símbolos divididos em grupos de 10, o usuário poderá perceber primeiramente quais pontos formam cada letra Braille. Num segundo momento há a repetição de cada letra, no intuito de facilitar a memorização. Terminada a animação, o usuário pode clicar em cada célula Braille disposta para repetir o aprendizado.
A partir do segundo grupo de letras, ao se acrescentar ou retirar apenas um ponto do grupo anterior, forma-se um novo grupo de letras, acelerando o processo. O Braille Virtual é um curso livre e não oferece certificado.

CAPACITAÇÃO EM DIVERSIDADE SEXUAL PARA PROFESSORES - PE

200 professores de Pernambuco serão capacitados em diversidade sexual

Alunos que, desde cedo, sentem atração por pessoas do mesmo sexo são uma realidade nas escolas, mas estão longe de fazer parte do processo educacional incluindo-se aí o papel fundamental dos professores.
O despreparo dos educadores quando se trata da diversidade sexual promove a homofobia nas escolas. Para mudar essa realidade, o Centro Leões do Norte de Combate à Homofobia lança no próximo mês o programa que vai capacitar 200 professores do estado em diversidade sexual.
A capacitação será feita por meio da realização de dois encontros e dois seminários. "A gente vai trabalhar desde o básico, o que é ser gay, por exemplo, até as outras informações importantes sobre diversidade sexual" explica a assistente social do Centro, Araceli Lira.
Os professores serão divididos em grupos para realizar uma das atividades mais importantes que será a elaboração de um plano de trabalho da diversidade sexual nas escolas. Cinco desses planos serão resumidos e farão parte de uma cartilha que será lançada e distribuída nas escolas.
O programa terá as inscrições abertas em março e está programado para acontecer em abril. A capacitação é financidada pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos e será coordenada pela equipe de profissionais do Centro.
Os educadores vão aprender sobre a diversidade sexual no âmbito da Assistência Social, da Psicologia e do Direito. A Universidade Federal de Pernambuco também apóia a iniciativa através do Núcleo de Pesquisa da Diversidade Sexual que será inaugurado em março. Outras informações sobre o programa podem ser obtidas pelo telefone (81) 3222 2207.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

CURSO DE DIFUSÃO CULTURAL PARA PROFESSORES - SP

O Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP oferece, durante o primeiro semestre de 2008, um Curso de difusão cultural, destinado a professores de ensino médio, fundamental e infantil. O curso acontece entre 25 de março e 24 de junho, e mostra aos professores a possibilidade do museu atuar como um laboratório pedagógico, com formas alternativas de ensino e aprendizagem, além de qualificá-los melhor para o trabalho com os alunos e contribuir para uma reflexão sobre a diversidade cultural.

São oferecidas 25 vagas, que serão preenchidas por ordem de chegada. As inscrições para o curso, que é gratuito, poderão ser feitas entre os dias 3 e 17 de março. Os interessados devem levar cópias do RG, do CPF, e comprovante de conclusão do Ensino Médio. O MAE fica na Av. Prof. Almeida Prado, 1466, Cidade Universitária, São Paulo.

Mais informações: (0XX11) 3091-5070

FONTE: http://www.universia.com.br/noticia/materia_dentrodocampus.jsp?not=40298

CURSO DE BIOSSEGURANÇA EM ACUPUNTURA - RJ

Data: 28 de março e 04 de abril de 2008

Horário: das 9 às 13 horas

Local: Escola de Formação Técnica em Saúde Enfª Izabel dos Santos
(Rua da Passagem, 179 - Botafogo).

É um curso gratuito e aberto a todos os interessados. As inscrições podem ser realizadas via eletrônica (acupuntura.saude@saude.rj.gov.br) ou pelo Tel: 2299-9740.

CURSO DE INFORMÁTICA - SC

Sindicato disponibiliza 54 vagas para a categoria. Inscrições abrem dia 3 de março

Aprender informática é essencial para a conquista do emprego, e também para a vida cotidiana, para o dia-a-dia. Quase tudo hoje é realizado com o apoio de computadores e quem não se familiarizar com essa tecnologia, pode ficar fora do mundo do trabalho.

Pensando nisso, e também em oferecer uma oportunidade para pessoas que não podem pagar os custos de um curso de informática básica, o Sindicato dos Mecânicos abre inscrições para o seu tradicional curso gratuito de informática. A partir de 3 de março até 17 do mesmo mês, os associados interessados podem se inscrever. As vagas são limitadas. Para se inscrever, o associado ou dependente deve comparecer à recepção do Sindicato.

O curso é realizado em parceria com o Sindicato dos Metalúrgicos e Federação dos Metalúrgicos da CUT/SC (FEMCUT). Os professores são da Univille, do curso superior de informática e computação, oferecendo portanto o melhor ensino sobre as modernas tecnologias. Não há limite de idade para participar. As aulas serão realizadas no laboratório de informática situado no Sindicato dos Metalúrgicos – rua Ministro Calógeras – com computadores excelentes, com turmas formadas para dois dias na semana – segundas e quartas, ou terças e quintas-feiras.

São apenas 54 vagas para a categoria mecânica, divididas em três turnos: manhã, tarde e noite. As aulas iniciam dia 17 de março. Para mais informações, ligue para 3027.1183. Aproveite mais essa oportunidade de qualificação profissional oferecida pelo Sindicato. Fique atento e garanta a sua vaga!


FONTE: http://www.sindmecanicos.org.br/destaques.php?pagina=0&nn=3&id=123


ATELIÊ DE ARTES PARA CRIANÇAS - SP

Objetivo do curso: estimular a produção em artes visuais por meio da aparesentação de diversas técnicas e procedimentos artísticos, de atividades de apreciação e de conversas sobre arte e cultura visando a construção de uma poética
Inscrição: 03 a 25 de março de 2008 - das 10h às 17h
Data
: 26 de março a 25 de junho de 2008
Local: Departamento de Artes Plásticas, ECA/USP
Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443
Cidade Universitária
Contato: Raul Cecilio
Telefone: 3091-4084 ramal 35
http://www.cap.eca.usp.br

CURSO DE GESTÃO E NEGÓCIOS DE RESÍDUOS - MG

As inscrições para o teste de seleção do curso gratuito de qualificação em Gestão e Negócios de Resíduos foram prorrogadas até o próximo dia 26. O processo é aberto exclusivamente para os alunos que cursam o terceiro ano do ensino médio de escolas públicas estaduais. As provas para o preenchimento das 150 vagas acontecem nos dias 27 e 28 de fevereiro, no Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR), programa inaugurado pelo Governo de Minas em junho de 2007 e localizado na região Leste de Belo Horizonte.

Para se inscrever, os interessados devem preencher formulário disponível no site do CMRR (www.cmrr.mg.gov.br) ou nas secretarias das escolas integrantes do projeto "Escola Viva, Comunidade Ativa". As aulas já começam no dia 10 de março, de segunda a sexta-feira, totalizando carga horária de 340 horas. Serão formadas três turmas no turno na manhã, das 7h30 às 11h30, e três no período da tarde, das 13h30 às 17h30.

O curso é divido em quatro módulos e tem como objetivo qualificar jovens para elaboração e implementação de projetos e programas de gestão de resíduos, com enfoque nos princípios na redução da geração, reciclagem e reutilização nas áreas da construção civil, saúde (hospitais, clínicas, farmácias etc), postos de combustível e atividades comerciais em geral.

"O gestor de resíduos está cada vez mais presente nas empresas, pressionadas pela legislação mais restritiva, pelos órgãos ambientais mais exigentes e pela sociedade mais consciente", afirma a coordenadora do curso, Carla Lodi. Durante as aulas, os alunos também recebem orientações para criar novos empreendimentos ligados à área. "São repassadas noções empreendedoras para a formação de um negócio lucrativo e ambientalmente sustentável", completa Lodi.

Os alunos recebem, gratuitamente, alimentação, vale-transporte, uniforme e material didático. Dos 91 formandos das turmas do segundo semestre de 2007, sete já garantiram vaga no mercado de trabalho. "O curso é uma grande oportunidade para os jovens. Fiz a opção pela gestão em postos de combustível e, hoje, estou empregado e exercendo o papel de multiplicador ambiental", diz o ex-aluno Mizael Rodrigues Oliveira, contratado pela Minaspetro.

Inédito no País, o curso de Gestão e Negócios de Resíduos é uma iniciativa do Centro Mineiro de Referência em Resíduos, que é coordenado pelo Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) em parceria com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e a Fundação Estadual do Meio Ambiente, com o apoio do Sebrae-MG.

Outras informações sobre o curso de qualificação em Gestão e Negócios de Resíduos podem ser obtidas pelo telefone (31) 3465.1211 ou pelo e-mail cmrr@cmrr.mg.gov.br.

CURSO DE FORMAÇÃO EM TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS - CE

Estão abertas as inscrições para o Curso de Formação Técnico-Profissional em Tecnologias Computacionais. Este curso faz parte das ações do Projeto Jovens do Saber Digital - Khouse Profissionalizante http://www.khouse.fplf.org.br/jovemdigitalEste projeto promove anualmente a formação de 60 jovens carentes da rede pública de ensino do Ceará por meio de uma proposta de ensino técnico com Inclusão Sócio-Digital. Este curso é uma parceria entre a Pontifícia Universidade do Rio de Janeiro (PUC-RJ) - Grupo de Pesquisa KBr-Kidlink, o Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará - (CEFETCE), a Secretaria de Ciência e Tecnologia (SECITECE-CE) e o Centro de Referencia do Professor. O curso versa sobre conteúdos na área técnica de TI e Suporte (Web Desing, Hardware, Redes, Linux e Windows, Lógica e JAVA). Além da formação presencial durante 1 ano os alunos também realizam atividades a distância. O curso é totalmente gratuito e os alunos são encaminhados a um estágio supervisionado na área de suporte. Ao final da formação os concludentes receberão certificação técnico-Profissional pelo CEFET-CE. As inscrições vão de 2 de Janeiro a 7 de Março de 2008. A seleção será realizada em três etapas: documentação, prova e entrevista. As inscrições para seleção de novos alunos estão abertas no site:www.khouse.fplf.org.br/jovemdigitalMaiores Informações pelo Telefone: (85) 3488.7687

CURSO DE CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ARTÍSTICO CULTURAL - MG

Cidades-sedes: Contagem
Início do curso: 7 de março (150 horas)
Horário das aulas: Eixo conceitual: Sextas-feiras, de 19h às 22h30 e sábados, de 9h às 17h30.
Número de vagas: 40 por cidade

PALESTRA DE LANÇAMENTO
Aberta aos interessados em participar do curso.
Dia: 19 de fevereiro
Horário: 19h
Local: Centro Cultural Prefeito Francisco Firmo de Mattos Filho - Casa Azul - Rua Dr. Cassiano, 130 - Centro Contagem

INSCRIÇÕES
Período: de 19 a 29 de fevereiro
Pré-requisitos:
. ter mais de 16 anos;
. atuar nas áreas cultural, artística, de comunicação, marketing ou gestão e negócios
. preencher todos os itens na ficha de inscrição impressa ou online
Local de Inscrições:
Coordenadoria de Cultura de Contagem de 8h às 12h e de 14h às 17h - (Av. Prefeito Gil Diniz, 385, 2º andar - Centro) ou preenchimento e envio online da ficha de inscrição disponível em www.contagem.mg.gov.br
Patrocínio: Arcelor Mittal - com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura Edital 001/2006
Coordenação pedagógica: José Márcio Barros
Informações: (31) 3352-5771 / 3463-3141
e-mail: pensareagircomacultura@gmail.com
www.usiminas.com.br/usicultura



Contagem será a próxima cidade a sediar o curso gratuito de Capacitação e Desenvolvimento Artístico Cultural, que integra o projeto Pensar e Agir com a Cultura.

O curso, que nesta edição conta com o patrocínio da Arcelor Mittal através de recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, tem por objetivo capacitar artistas, arte-educadores, agentes e gestores culturais, profissionais da comunicação e marketing e interessados em geral para a compreensão da cultura e sua diversidade como fatores de desenvolvimento local. Também procura criar competências para a elaboração e desenvolvimento de projetos e ações integradas e cooperadas.

O projeto conta com profissionais de reconhecida competência e envolvimento na área cultural. Sua realização em Contagem se efetiva através da integração e parceria da Prefeitura Municipal de Contagem, do Observatório da Diversidade Cultural, da Transversal Consultoria e Projetos, da Diversas Consultoria Cultural e da Aff! Comunicação e Cultura.

O lançamento do curso tem início com a palestra sobre Cultura, Diversidade e Desenvolvimento, que será realizada no dia 19 de fevereiro, às 19h, no Centro Cultural Prefeito Francisco Firmo de Mattos Filho - Casa Azul - Rua Dr. Cassiano, 130 - Centro - Contagem. Ministrada pelo professor José Márcio Barros, a palestra será aberta ao público em geral, e tem por objetivo informar, sensibilizar e envolver a comunidade local convidando-a a participar do curso. Temas como o artista e a atualidade; a gestão cultural e o desenvolvimento local; o artista e condições de trabalho; o artista e sua contribuição para o desenvolvimento e o funcionamento do curso serão abordados.

O curso será ministrado em 6 módulos de 12 h/aula, organizados de forma a garantir uma integração de conteúdos seqüenciados, capaz de possibilitar aos participantes o desenvolvimento de sua capacidade conceitual e metodológica de pensar e agir com a Cultura na perspectiva da elaboração e desenvolvimento de projetos culturais. Além do eixo conceitual, de 72 horas/aula, que engloba oito módulos, o curso também conta com o eixo prático, composto pelo Laboratório de projetos culturais, de 36 h/atividade, com a Imersão Criativa e Colaborativa, de 36 h/atividade e com o Seminário Final, de 6h/atividade. A imersão artística e o Seminário serão oferecidos a um público mais amplo e realizados em Belo Horizonte.

Segundo seu coordenador pedagógico, o professor, antropólogo e doutor em comunicação e cultura José Márcio Barros, o projeto tem por objetivo formar e reciclar profissionais das áreas da arte, cultura, educação, comunicação e marketing com uma visão ampla e aberta à diversidade de práticas, conceitos e valores. "Queremos proporcionar uma visão integrada das áreas de administração, economia, direito, artes e cultura, assegurando, através do programa acadêmico, um sólido entendimento dos principais pontos que norteiam a administração de um projeto cultural", ele explica.

O aluno, além de adquirir base teórica para que desenvolva capacidade de análise crítica e reflexiva no setor, de acordo com as tendências e mutações do mercado, vivenciará um intercâmbio de experiências com professores, alunos e profissionais de renome no campo da administração da Cultura.
O curso será ministrado em módulos de 12 h/aula, organizados de forma a garantir uma integração de conteúdos seqüenciados, capaz de possibilitar aos participantes o desenvolvimento de sua capacidade conceitual e metodológica de pensar e agir com a Cultura na perspectiva da elaboração e desenvolvimento de projetos culturais.



CONTEÚDO

Eixo Conceitual - 72h/aula

1. Cultura, Desenvolvimento e Diversidade Cultural
As políticas e as ações públicas; a cultura, sua abordagem sócio-antropológica e a relação com o desenvolvimento humano; o significado antropológico, ético, político e econômico da diversidade cultural; o estágio do debate sobre a questão; a diversidade cultural e o mercado das indústrias criativas.

2. Mecanismos de Financiamento da Cultura
Leis de Incentivo e instrumentos alternativos de fomento, promoção e proteção da Cultura.

3. Marketing Cultural e Desenvolvimento Local
Introdução ao marketing na área da cultura e sua relação com o desenvolvimento.

4. Gestão de Projetos e Programas Culturais
Princípios organizacionais, mercadológicos e jurídicos de gerência aplicados ao universo cultural.

5. Introdução à produção cultural
Aspectos conceituais e operacionais da produção cultural aplicados aos vários campos da cultura.

6. Planejamento Estratégico na Cultura (Diagnóstico da realidade cultural local)
Apresentação do Diagnóstico Rápido Participativo (DRP) único para cada cidade e dos FOFAs (Fortaleza, Oportunidade, Fraqueza e Ameaça), tantos quantos os produzidos.

Eixo Prático

7. Laboratório de projetos - 36 h/atividade
Ênfase no Trabalho em Rede e Cooperação; na Produção e Diversidade Cultural e na Economia Solidária e Moedas Culturais.

8. Imersão criativa e colaborativa- 36 h/atividade

9. Seminário final - 6 h/atividade
Visa consolidar os resultados obtidos pelo curso.

ANEXOS:
1) Histórico do curso:

O curso é realizado desde 2003, através das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, Fundo Nacional de Cultura e diversas parcerias institucionais como prefeituras e Banco Interamericano de Desenvolvimento. No total, 908 alunos foram capacitados em 16 cidades. Para a edição 2007, a Lei Estadual de Incentivo à Cultura, a Usiminas e os novos parceiros locais possibilitaram a continuidade do processo de ampliação e interiorização do curso.

1.1) Principais resultados alcançados pelo curso Desenvolvimento e Gestão Cultural em suas quatro edições até o momento:

Ano: 2003 Cidades: BH, Governador Valadares, Poços de Caldas, Divinópolis, Montes Claros, Juiz de Fora Alunos: 260

Ano: 2004 Cidades: Varginha, BH, Diamantina Alunos: 140

Ano: 2005 Cidades: Alfenas, Montes Claros, BH, Uberlândia, Governador Valadares, Serro, Matozinhos
Alunos: 324

Ano: 2007
Cidades: Barbacena, Diamantina, Itabirito, Lagoa Santa e Varginha
Alunos: 184

Total: 908

1.2) Resultados Obtidos

• Formação de pessoal no primeiro, segundo e terceiro setores para atuação na área cultural
• Incentivo ao trabalho em rede e processos colaborativos
• Incentivo ao trabalho articulado entre as cidades
• Trabalho fundamentado na busca do desenvolvimento através de ações culturais
• Ampliação do conceito de profissionalização e qualidade das produções artístico-culturais.
• Aprovação e viabilização de vários projetos dos alunos em editais e leis de incentivo à cultura.
• Participação de vários alunos em conferências locais, regionais e nacional de Cultura.

Impacto Social

Beneficiários diretos
908 artistas, produtores culturais, gestores públicos, profissionais de áreas correlatas, entre 16 e 74 anos, em 16 cidades diferentes.
Beneficiários potenciais
Organizações do terceiro setor, do setor público, cooperativas de produção.

2) Ficha Técnica

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ARTÍSTICO-CULTURAL 2008
Projeto Pensar e Agir com a Cultura
Realizado com recursos da Lei estadual de Incentivo à Cultura Edital 001/2006

Coordenação Geral: José Márcio Barros
Coordenação de Rede de Gestores Regionais: Diversas Consultoria Cultural
Produção Executiva: Aff! Comunicação e Cultura
Criação Gráfica: Henrique Dias
Execução Orçamentária: Via Social
Parceiros: Prefeitura Municipal de Contagem, Observatório da Diversidade Cultural, Transversal Consultoria e Projetos, Diversas Consultoria Cultural e Aff! Comunicação e Cultura

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

SENAI OFERECE VAGAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA - BA

As turmas são dos turnos matutino e vespertino, com carga horária dos cursos varia de 20 a 120 horas. Serão disponibilizados Intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) durante 100% da carga horária dos cursos.
Telefone para mais informações: (71) 3534-8090 (Área de Telemarketing)

Cursos:

Informática Básica = 24 vagas, idade mínima 16 anos, 7ª série, CETIND (Dendezeiros)

Manutenção de Microcomputadores = 12 vagas, idade mínima 16 anos, 8ª série, conhecimentos de informática, CETIND (Dendezeiros)

Polimento, revitalização e cristalização automotiva = 12 vagas, idade mínima 16 anos, 7ª série, CIMATEC (Piatã)

Logística com informática = 24 vagas, idade mínima 16 anos, 8ª série, CIMATEC (Piatã)

Costura Industrial = 12 vagas, idade mínima 16 anos, 7ª série, CETIND (Dendezeiros)

*Profissional de Pintura = 12 vagas, idade mínima 16 anos, 7ª série, CETIND (Dendezeiros)

*Pedreiro Polivalente = 12 vagas, idade mínima 16 anos, 7ª série, CETIND (Dendezeiros)


* Só para pessoas com deficiência auditiva


CORAL CANTARES(UNEB) SELECIONA - BA

VAGAS PARA CANTAR
UNEB abre seleção para o Coral Cantares - Vagas são destinadas à comunidade universitária e ao público em geral - Candidatos devem ter idade acima de 18 anos e nível médio completo - Inscrições abertas até 15/março, em Salvador

“Viver, e não ter a vergonha de ser feliz. Cantar e cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz. Ah, meu Deus, eu sei, eu sei, que a vida devia ser bem melhor e será. Mas isso não impede que eu repita; é bonita, é bonita e é bonita.”

É cantarolando “O que é, o que é?”, de Gonzaguinha, que a coordenadora do Coral Cantares, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Midore Inomata, convoca todos para participar da seleção 2008 do coral.

Há 15 anos, o Coral Cantares atua em eventos, cerimônias e festas nos campi da UNEB e em apresentações abertas na capital. “Cantar envolve a vida e a auto-estima. É um aprendizado. Por isso venha espantar os males conosco, cantando”, convida.

As inscrições seguem abertas até o dia 15 de março. Os candidatos devem se dirigir até o Núcleo de Artes (Nart) da Pró-Reitoria de Extensão (Proex), bairro do Imbuí, em Salvador, portando uma foto 3x4, além de comprovante de residência, CPF e identidade.

O local funciona pela manhã, no período das 9h às 11h30. Pela tarde, as inscrições podem ser feitas com Luis Augusto, membro do coral, no Protocolo Geral da universidade, no Campus I, bairro do Cabula, das 14h às 17h, também na capital.

“Vale destacar que esses candidatos devem ser maiores de 18 anos e ter nível médio ou serem universitários”, explica Midore. Após essa etapa, o maestro David Alves Tourinho seleciona e classifica os calouros. Estes podem ser tenores, sopranos, contraltos e baixos.

Informações: Nart/Proex – Tels.: (71) 3371-0148 / 0173 (ramal 247).

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

CURSOS PONTO DE CULTURA - RJ

Estão abertas, até 29 de fevereiro, na sede do SATED, as inscrições para as Oficinas de Câmera, Interpretação para TV, Produção e Edição, que compõem o Ponto de Cultura, parte integrante do Programa Cultura Viva do Ministério da Cultura(MinC). A instalação do Ponto de Cultura no SATED foi viabilizada pelo convênio entre o Ministério da Cultura, a Fundação Cultural Palmares e o Centro Cultural Dercy Gonçalves. Os professores que ministrarão as aulas são profissionais conceituados nas suas áreas de atuação, como Dib Lufit (Câmera), Inácio Coqueiro (Interpretação para TV), Eliede Costa (Produção) e Fernando Vidor (Edição).

Como se inscrever

As oficinas têm 80 vagas para atender jovens afro-descendentes de ambos os sexos, entre 18 a 25 anos, com renda familiar até 3 salários mínimos. Os cursos são gratuitos e terão duração de 3 meses, com 20 vagas cada e acontecerão pela manhã e tarde. A aula inaugural está marcada para o dia 11 de março.
Para se inscrever, o candidato terá que apresentar:
- uma foto(3x4);
- xerox da identidade e CPF;
- comprovante de residência;
- prova de escolaridade (deve estar cursando ou ter concluído o 2° grau)
- participar de uma entrevista.
Os interessados poderão conseguir mais informações pelo telefone (21)2220-7209. O SATED fica na rua Alcindo Guanabara, 17, salas 501/505, Cinelândia, Centro do Rio.
FONTE: www.satedrj.org.br

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES LEI 10.639/03 EM VALENÇA - BA

Desde 2003 está em vigor a Lei federal 10.639/2003, que torna obrigatório o ensino de História e Cultura Africanas e Afro-brasileiras no currículo oficial das escolas do Brasil. Nesses cinco anos, uma pauta surgiu nas principais mesas de debates sobre a temática: há profissionais capacitados no ramo para atender o que está previsto na lei?

A capacitação de profissionais de educação é o principal objetivo do curso de extensãoFormação de Professores - relações étnico-raciais e Lei 10.639, formatado pelo Departamento de Educação (DEDC) do Campus XV da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Localizado em Valença, o departamento está oferecendo 50 vagas para profissionais de educação de Valença e dos municípios vizinhos. As inscrições são gratuitas e ficam abertas até 28 de fevereiro.

Para concorrer às vagas, os interessados devem comparecer ao setor de protocolo do departamento, das 14h às 22h, de segunda a sexta-feira, portando cópia do RG, comprovante de atuação na rede pública de ensino ou de formação em licenciatura, além de carta de interesse - expondo brevemente a razão pela qual deseja freqüentar o curso.

Os candidatos selecionados serão conhecidos no dia 29 de fevereiro. A lista com os 50 nomes estará disponível no próprio departamento.

Conteúdo programático

Ministrado pela professora-visitante da UNEB, Surya Pombo, a metodologia do curso contempla a realização de aulas expositivas, leituras prévias individuais de textos indicados, discussão dos textos em formato de seminários, debates e análise de materiais didáticos e audiovisuais.

Nosso objetivo é preencher uma lacuna que ainda existe mesmo depois de cinco anos de aprovação da lei: profissionais da educação que não tiveram contato com a história e cultura africanas e afro-brasileiras”, explica Surya, que, desde 2007, ministra aulas sobre essa temática no curso de Pedagogia do Campus XV.

O curso tem carga-horária de 90h, sendo 60h presenciais e 30h concentradas em atividades extra. As aulas acontecem nas instalações do campus, de 4 de março a 11 de junho, das 8h10 às 11h40, sempre às terças-feiras. O conteúdo programático está disponível no Núcleo de Pesquisa e Extensão (Nupex) para consulta dos interessados.

Informações: DEDC/Campus XV- Tel.: (75) 3641-0599.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

PROGRAMA CONEXÕES DE SABERES ABRE INSCRIÇÕES - BA

O Programa Conexões de Saberes – UFBA, vinculado ao Programa de Ações Afirmativas, resultante da parceria entre a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD-MEC) e o Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, seleciona estudantes de graduação da Universidade Federal da Bahia de origem popular, afro e/ou índio-descendentes, oriundos da rede pública do ensino.

O programa tem como objetivo favorecer o estreitamento dos vínculos e trocas entre a universidade e as comunidades populares, no qual, os/as bolsistas protagonizam ações de ensino, pesquisa e extensão junto às comunidades do Engenho Velho de Brotas, Engenho Velho da Federação e São Caetano e/ou as Escolas Municipais e Estaduais de Salvador e Lauro de Freitas-BA, assim como, o acompanhamento, avaliação e proposição de políticas de acesso e permanência de estudantes de origem popular nas universidades.

Os/as bolsistas receberão R$300,00 de bolsa de extensão, durante 5 meses de atividades com carga horária semanal de 20h, nos horários pré-estabelecidos, para realização das atividades do programa, não podendo o mesmo acumular bolsas de qualquer tipo, nem vínculo empregatício de qualquer natureza.

Perfil desejado: Os estudantes deverão ser cotistas, ter disponível 20h (turno vespertino), renda de até 3 salários mínimos, preferencialmente, tenham experiências em trabalho comunitário, capacidade de articulação em equipe, interesse em pesquisar sobre temas ligados as políticas de ações afirmativas, a democratização do ensino superior, identidade étnico/racial, entre outros.


PROCESSO SELETIVO


  • Interessados devem preencher a ficha de inscrição na Divisão de Material – campus Ondina – durante o período de 03 a 05 de março de 2008;

  • Resultado da primeira etapa será divulgado no dia 06 de março de 2008;

  • Os selecionados para segunda etapa deverão comparecer na Divisão de Materiais no dia 07 de março de 2008 para entrevista portando os seguintes documentos (cópia/xerox): comprovante de renda; comprovante de residência; RG; CPF e o registro de matricula;

  • O resultado final será publicado no dia 10 de março de 2008, a partir das 14h;

BOLSAS PARA UNIVERSITÁRIOS EM CAMAÇARI - BA

Bolsas para universitários
SIMÔNICA CAPISTRANO
ssantos@grupoatarde.com.br

Até o próximo dia 29, estarão abertas as inscrições do programa Bolsa Universitária para os alunos novos, residentes em Camaçari.A iniciativa da Secretaria de Educação do município vai auxiliar os estudantes no pagamento de mensalidades em faculdades privadas.Para participar, os interessados devem se dirigir, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 16h, à Coordenação de Ensino Superior, localizada na Rua Oito de Dezembro, 43, Centro, onde funcionava a antiga Previna. No local da inscrição serão distribuídas 150 fichas em cada turno.São exigidas cópias e originais dos seguintes documentos: carteira de identidade, CPF, título de eleitor de Camaçari ou certidão de domicílio eleitoral (para aqueles que moram há mais de dois anos na cidade, mas não constam no título), comprovante de residência (anexar contrato de locação caso seja alugada) e matrícula, histórico escolar, último contracheque (caso seja funcionário público ou dependente) e uma foto 3x4.

No total, 200 bolsas serão sorteadas para universitários matriculados em instituições particulares.

Os critérios de avaliação são as notas obtidas durante o ensino médio e sorteio. No ano passado, houve cerca de 2.100 inscritos. A expectativa para 2008 é de que 2.500 candidatos participem da seleção. O resultado será divulgado em abril. Informações: 713622-9312.

Atarde de 18 de fevereiro de 2008

CURSO GRATUITO DE ENFERMAGEM - BA

Vagas abertas para curso gratuito de enfermagem

SIMÔNICA CAPISTRANO
ssantos@grupoatarde.com.br

Pessoas que desejam participar do curso gratuito de Habilitação Profissional em Técnico de Enfermagem da Escola de Formação Técnica em Saúde (EFTS) Prof. Jorge Novis, oferecido pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), devem ficar atentas às etapas do processo seletivo.

O primeiro passo é garantir a senha numérica da EFTS, que será distribuída apenas na próxima segunda-feira (18), das 8 às 17 horas, mediante apresentação do RG, na sede da própria escola, localizada na Av. Vasco da Gama (atrás do Hospital Geral do Estado) ou no Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), que fica na Avenida Ulisses Guimarães, Centro Administrativo (ao lado do Incra), em Sussuarana.

Após a entrega da ficha, o candidato irá se inscrever, no período de 25 a 27 de fevereiro, das 8 às 17 horas nos mesmos locais de distribuição das senhas. Para participar da seleção é preciso ter idade igual ou superior a 18 anos, ter 2º grau completo, disponibilidade para freqüentar aulas nos turnos matutino ou vespertino e residir em Salvador.

Os documentos exigidos são: RG, histórico escolar de conclusão do ensino médio, senha numérica original e comprovante de residência. Os inscritos ainda passarão por uma prova objetiva com questões de português, matemática e conhecimentos gerais em saúde coletiva. Mais informações através do site www.saude.ba.gov.br.

sábado, 16 de fevereiro de 2008

PALESTRA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM HOTELARIA - BA

O SENAC(BA) promove palestra "Qualidade na prestação de serviços em hotelaria", que objetiva fazer com que os participante compreendam o conceito de qualidade a associem o conceito de qualidade aos serviços hoteleiros. Dia 28 de fevereiro, das 18:30 às 21:30.
Endereço
Rua Dr J.J. Seabra, 403
Baixa dos Sapateiros - Salvador/BA
Cep: 40.025-380
Email
cfpaquidaba@ba.senac.br
Telefone (71)3340-4000

PALESTRA DA VITRINE PARA O CORPO - BA

O SENAC(BA) promove a palestra "Da vitrine para o corpo", que visa trabalhar formas de conhecer estratégias de seleção e aproveitamento de peças do vestuário e relacionar moda com estilo pessoal, tipo de evento e custo benefício. Dia 27 de fevereiro, das 19 às 22 horas.
Endereço
Rua Dr J.J. Seabra, 403
Baixa dos Sapateiros - Salvador/BA
Cep: 40.025-380
Email
cfpaquidaba@ba.senac.br
Telefone (71)3340-4000

COMO SE VESTIR PARA O TRABALHO - BA

O SENAC(BA) promove a palestra "Como se vestir para o trabalho" nos dias 19 e 28 de fevereiro, das 14:30 às 17:30.
Endereço
Rua Dr J.J. Seabra, 403
Baixa dos Sapateiros - Salvador/BA
Cep: 40.025-380
Email
cfpaquidaba@ba.senac.br
Telefone (71)3340-4000

COMPANHIA VILA DANÇA OFERECE AULAS GRATUITAS

A Companhia Viladança está com inscrições abertas para aulas gratuitas de dança para profissionais da área. A cada mês serão disponibilizadas cinco vagas para que outros dançarinos tenham a oportunidade de participar do programa de condicionamento físico e aprimoramento técnico da companhia. As aulas acontecem de segunda a sexta-feira, das 14h às 15h30. No mês de março a programação será: Segunda-feira - Técnica de Pilates com Bárbara Bárbara; Terça-feira- Ballet Clássico I com Raimundo Simões; Quarta-feira - Dança Afro com Nildinha ; Quinta-feira - Ballet Clássico II com Raimundo Simões; Sexta-feira - Dança Contemporânea com Cristina Castro. As inscrições poderão ser feitas no próprio teatro, ou pelos telefones (71) 3083-4618 / 8201-0258 (Leandro Oliveira).

PROJETO CINEMATIVA APRESENTA FAMÍLIA ALCÂNTARA - RJ

20 de fevereiro às 19h (próxima quarta-feira)

Entrada Franca

Local: Sesc Madureira

Filme: Família Alcântara
Direção: Daniel Solá Santiago e Lilian Solá Santiago
Classificação Livre

Sinopse:
O documentário que conta a história de uma família descendente de africanos escravizados em Minas Gerais trabalha com a integração e a resistência cultural, misturando realidade e ficção.

Com o coral, as peças de teatro e as guardas de congada - atividades artísticas e religiosas - a Família Alcântara preserva a sua história e a mantém por gerações, uma família formada por 78 pessoas.

O filme explora a cultura única criada pelos africanos escravizados no Brasil da etnia bantu - origem da maioria dos africanos trazidos para a América durante o período de escravidão, e seus descendentes demonstram como as questões históricas e sociológicas mais gerais influem na vida de cada um.

Segundo o diretor Daniel Solá, a proposta do filme é mostrar quem são essas pessoas e apresentar a sua história: "O filme Família Alcântara retrata o olhar de pessoas negras sobre a questão negra no Brasil", conta.

Sem mesmo estar na África eles recriam a história e demonstram como fragmentos de memória podem proporcionar conexões históricas e espirituais, tornando-se uma fonte de resistência cultural e de identidade.

Realização: Estimativa em parceira com Sesc Rio


Apoio:
DSS Produções
Caras do Brasil Produções
Étnica Comunição e Produção

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

PALESTRAS GRÁTIS NA FACULDADE SOCIAL - BA

A Faculdade Social da Bahia promove as Quartas Cênicas, com entrada franca. No início de cada sessão, serão exibidos vídeos produzidos por alunos da instituição.

20 de fevereiro
Hora da Palavra: Hora do Cinema
Perspectivas do cinema na Bahia
Palestrantes: João Rodrigo Matos (Faculdade Social), Sofia Frederico (DIMAS), Lula Oliveira (Associação Baiana de Cinema e Vídeo)

05 de março
Ciclo de Leituras Dramáticas - Ofícios em Cena
Texto: Apareceu a margarida, de Roberto Athayde
Direção: George Mascarenhas

26 de março
Ciclo de Leituras Dramáticas - Ofícios em Cena
Texto: O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues
Direção: Paulo Henrique Alcântara

Local: Teatro ISBA, Ondina
Horário: 18:30
Tel: 4009-3690 / e-mail: quartascenicas@fsba.edu.br

CURTAS AFRICANOS NA ALEXANDRE ROBATTO - BA

Uma série de filmes africanos vai ser exibida na sessão Pérolas Negras, que acontece na Sala Alexandre Robatto, Barris, de 15 a 21 deste mês, às 15, 17h30 e 20 horas, com entrada franca. Os curtas são inéditos no Brasil e fazem parte do projeto Histórias da África, que reúne uma centena de estruturas locais na região africana, em prol de campanhas de prevenção à contaminação pelo vírus da Aids.
Na programação, serão exibidos os curtas A Árvore e o Vento, de Mahamat-Saleh Haroun, Boas Razões, de Abderrahmane Sissako, Paz de Espírito, de Fanta Régina Nacro, Sempre Alerta, de Hamet Diagne, entre outros.
Fonte: A Tarde

PALESTRA BOAS PRÁTICAS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL - BA

O SENAC convida a todos para a Palestra: Boas Práticas para uma alimentação saudável e qualidade de vida
Local: Av. Tancredo Neves, 1109 - Edifício Casa do Comércio, 5º andar – Pituba
Data: 17/03/2008 Horário: 14h
Inscrições GRATUITAS pelo (71) 3273-9776 ou (71) 3340-4000.

CURSO DE HISTÓRIA DAS CULTURAS AFRICANAS E AFRO-BRASILEIRAS

INTRODUÇÃO
O curso de formação permanente de Agentes Educativo-Culturais HISTÓRIA DAS CULTURAS AFRICANAS E AFRO-BRASILEIRAS - têm como intuito propiciar a formação sistemática, à difusão de conhecimentos científicos e técnicos acerca das culturas e histórias das populações africanas e afro-brasileiras.
Essa iniciativa pretende não ser uma ação isolada que se encerra em si mesma, mas ser algo permanente de modo que se estabeleçam a partir das Oficinas exposições, performances e a produção de publicações (materiais didáticos, paradidáticos e acadêmicos) entre outras possibilidades.

SINOPSE
A oficina de formação permanente de Agentes Educativo-Culturais vem atender as proposituras Lei Federal n.10.639 de 09/01/2003, que alterou a Lei de Diretrizes Básicas da Educação Nacional e torna obrigatória a. temática da “História das culturas africanas e afro-brasileiras” . E do que determina o Decreto Estadual n° 48.328 de 15/12/2003 publicado no D.O. de 16/12/2003 que institui no âmbito da administração pública do Estado de São Paulo a Políticas de Ações Afirmativas para Afrodescendentes e dá providências correlatas.

OBJETIVOS

* Inserir conhecimentos sobre a História e a realidade da África, da relação entre África-Brasil e da cultura produzida pelos afro-brasileiros na sociedade nacional;

* Dialogar e debater sobre a implementação da lei 10.639 e a presença das culturas de matrizes africana e afro-brasileira na cultura brasileira;

* Entender e interpretar as práticas sociais e culturais relativas à questão étnico-racial e as questões atinentes à África no Brasil;

* Estimular a democratização da informação e conhecimento no intuito de contribuir com a valorização, fortalecimento e afirmação da identidade étnico-racial paulista.

PÚBLICO ALVO
Agentes de atividades culturais da Secretaria Estadual e Municipal de Cultura;
Profissionais da área da educação, lideranças, multiplicadores e ativistas dos movimentos sociais;
Técnicos e funcionários das Oficinas Culturais;
Público em geral.

VAGAS E SELEÇÃO
60 (sessenta) primeiros inscritos.

CORDENADOR
Christian Fernando dos Santos Moura
Possui graduação em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003). Atualmente é professor titular - Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. Mestrando em Artes no Programa de Pós-graduação em Artes do Instituto de Artes IA UNESP. É pesquisador do grupo de extensão e pesquisa universitária da UNESP, NUPE (Núcleo Negro da UNESP para Pesquisa e Extensão) e Professor de História do Brasil Colônia e República da UNIBAN Universidade Bandeirantes. Tem experiência na área de História, com ênfase em História, atuando principalmente nos seguintes temas: História da África, negro, preconceito, teatro, racismo e educação.

CONVIDADOS
Oluemi Aparecido dos Santos.
Francisco Sandro da Silveira Vieira.
Lílian Santiago Solá

CARGA HORÁRIA
39 (trinta e nove) horas, 13 (treze) encontros de 3 (quatro horas).

DATAS E HORÁRIOS
Aos sábados, de 05/abril a 28/junho, das 14h00 horas às 17h00.

LOCAL
Oficina Cultural Oswald de Andrade
Rua Três Rios, 363, Bom Retiro
Telefones (11) 3221-5558 / 3222-2662
oswalddeandrade@ assoc.org. br
Inscrições: segunda a sexta-feira, 10h às 20h.

CONTEÚDOS E CRONOGRAMA
05 de abril – Apresentação do curso (programa, objetivo, metodologia e estratégias de desenvolvimento) . Exibição, seguido de debate da animação Yansa, de Carlos Eduardo Nogueira, 2006, 18 minutos.
12 de abril – África: culturas e sociedades
A cultura material das sociedades africanas / Um breve panorâmico histórico das culturas africanas e do continente africano ao longo da história. Produção de máscaras africanas.
Textos: SALUM, Marta Heloísa Leuba. (Lisy) “África: culturas e sociedades” - Texto do guia temático para professores África: culturas e sociedades, da série Formas de Humanidade, do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo. Escrito em janeiro de 1999 e revisto e adaptado em julho de 2005 para publicação neste site: http://www.mae. usp.br/ & http://www.arteafri cana.usp. br. COSTA E SILVA, Alberto da. Cap 1. “Paisagem e o homem”. In. A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1996.
19 de abril – A pré-história da África.
Generalidades (Pré-história, paleolítico, neolítico, arte rupestre, objetos pré-históricos, a vida na pré-história africana); fósseis; pré-história na África oriental; pré-história na África Austral; África central; Magreb; África ocidental, Vale do Nilo. Exibição do filme Kiriku e a Feiticeira, de Michel Ocelot, 1998, 74 minutos.

Textos: GIORDANI, Mário Curtis. “Pré-história da África”. In. História da África - anterior aos descobrimentos. Petrópolis: Vozes, 1985. COSTA E SILVA, Alberto da. Cap 1. “Pré-história”. In. A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1996. SANTOS, Marcos Ferreira dos. “Ancestralidade e convivência no processo identitário: a dor do espinho e a arte da paixão entre Karabá e Kiriku”. In Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03 – Brasília: Ministério da Educação, SECAD, 2005. pp. 205-229.
26 de abril – Continentes africanos: das ciências à sabedoria.
CONVIDADO – Francisco Sandro da Silveira Vieira: antropólogo, pesquisador membro do NUPE (Núcleo Negro da UNESP para Pesquisa e Extensão) - UNESP-SP.
África-pré-colonial / O continente africano antes da conquista / África na Idade Média européia /Os árabes iniciam sua conquista pelo Egito / O avanço até o baixo Senegal / O Gana / O Império do Mali e de Gao / Os Reinos Yorubás e o Benim / O tráfico medieval de escravos / A instituição da escravidão na África muçulmana / A escravidão entre os africanos / pré e pós-conceitos: etnocentrismo, “afropessímismo” , “afrocentrismo” e eurocentrismo;
Textos: VIEIRA, Francisco Sandro da. “As ciências sociais e as etnias africanas: Análise e crítica da contribuição banto no Brasil’”.
03 de maio – A escravidão africana e o tráfico negreiro
A colonização e o tráfico negreiro na América portuguesa / Expansão marítima européia / O fator islâmico /O comércio transatlântico / O tráfico de escravos na costa ocidental africana. / A dinâmica do modo de produção colonial / A escravidão na África Centro-Ocidental / O comércio da África Oriental / A escravidão no século XIX. / As vias de comunicação e os mercados na África Ocidental / Os Haúças / Os bantos / O reino do Congo/ O reino do Congo, os Mbundu (ou Ambundos), o reino dos "Ngola" ou de Angola e a presença portuguesa nos finais do século XV a meados do século XVII ;
Textos: COSTA E SILVA, Alberto da. “O escravo negro na idade média européia”. In. A manilha e o libambo: a África e a escravidão de 1500 a 1700. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2002. MEILLASSOUX, Claude. Capítulo introdutório. “Parentes e estranhos”. In. Antropologia da escravidão : o ventre de ferro e dinheiro. Rio de Janeiro, Zahar, 1995. SOUZA, Talita Tavares Batista Amaral de. “Escravidão interna na África, antes do tráfico negreiro”. In. http://www.cefetcam pos.br.
10 de maio – As culturas negras na América do Sul. Os negros no Brasil.
Da África ao Afro: uso e abuso da África entre os intelectuais e na cultura popular brasileira durante o século XX / O pensamento mestiço nas relações Estados-Unidos - Brasil - África”: - Uma breve história do racismo e das relações raciais no Brasil / A democracia racial brasileira /As relações entre sociedades indígenas e populações africanas/afrodesce ndentes / Quilombos e a resistência escrava na colônia / Os movimentos sociais negros do século XX / A Frente Negra Brasileira / O MNU (movimento Negro Unificado / A cultura jovem doas anos 1970 / Movimento “Black power”. As influências das culturas negro- africanas para as artes visuais e plásticas brasileiras / Políticas públicas e os recortes de gênero, étnico/racial, geracional / Ações afirmativas.
Textos: FREYRE, Gilberto. “O escravo negro na vida sexual e de família do brasileiro” (capítulo IV). In: FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 35ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1999. pp. 282- 409. Exibição do filme “Na rota dos orixás”, de Renato Barbieri, 1998, 54 minutos.
17 de maio – Discursos sobre o colonialismo. Racismo e descolonização
O imperialismo colonial de fins do século XIX / A constituição dos sistemas coloniais e movimentos de resistência na África / Viajantes europeus em África contemporânea e a evolução do colonialismo tradicional ao neocolonialismo / o papel dos missionários nas explorações / A partilha da África e o significado dos desdobramentos da Conferência de Berlim (1884-1885) na perspectiva africana da partilha e da conquista / O período entre guerras: continuidade e rupturas /A descolonização e o pós-guerra / Os socialismos africanos / A política e o nacionalismo africano / A escravidão no Brasil.
Textos: CESAIRE, Aimé. “Discursos sobre o colonialismo” In. Cadernos para o diálogo – Porto, 1971. PEREIRA José Maria Nunes. “Colonialismo, racismo e descolonização” In: Estudos Afro-Asiáticos. – nº 2 (Maio/Ago. 1978), p. 16-29.
24 de maio – Negritude. Usos e sentidos.
Pan-africanismo / Movimentos de negritude e libertação nacional / O pensamento das elites culturais africanas diante das questões de política e identidade./ Noções de raça, nação, pátria e etnia no contexto dos nacionalismos africanos de expressão portuguesa / A literatura de expressão afro-brasileira / Os escritores e escritoras afro-brasileiros /o negro na literatura brasileira / Influência das línguas africanas de expressão de língua portuguesa no Brasil contemporâneo; Tradição e modernidade em África contemporânea / O regime de Apartheid na África do Sul / África rural e urbana / África mítica / Estruturas político-sociais em Angola pós-colonialismo e pós-socialismo / UNITA e MPLA, os movimentos de libertação nacional pós-guerra civil / Angolanidade e diáspora. Exibição do curta “Place des Fêtes”, de Oliver Schmitz, 2007. 18 minutos.
Textos – MUNANGA, Kabenguele. “Negritude: usos e sentidos”. São Paulo, Ática, 1988. BERND, Zilá. “A Questão da Negritude”. São Paulo: Brasiliense, 1984.
31 de maio – Visão panorâmica das literaturas africanas de língua portuguesa. (Angola e Moçambique). Estudos de textos de Luandino Vieira, Craveirinha e Mia Couto.
CONVIDADO – Oluemi Aparecido dos Santos: graduado em Letras (Português/Francê s) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003). Atualmente é mestrando em Estudos Comparados em Literaturas de Língua Portuguesa na USP sob orientação da Profa. Dra. Tânia Macêdo. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Comparada. Também atua como professor/palestran te de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e de Estudos da relações étnico-raciais.
A literatura no universo colonial: tradição e modernidade / Literatura e negritude / Negritude africana de língua portuguesa / José Craveirinha, Mia Couto no contexto da literatura pós-colonial de Moçambique / Agostinho Neto, Antonio Jacinto no contexto da literatura pós-colonial de Angola;
Textos: CHABAL, Patrick, “Literatura e Identidade Nacional em Moçambique”. In Vozes Moçambicanas. Literatura e nacionalidade. Veja, Lisboa, 1994. COUTO, Mia. “Estórias Abensonhadas”. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.
07 de junho – Cultura política e musicalidade negra na diáspora africana.
Breve introdução da influência negro-africana na música erudita e popular brasileiro / Música brasileira no final do século XIX: Modinhas, Imperiais, Polca, Lundu, Polca-Lundu, Choro, Maxixe/ Músicos mulatos no Brasil imperial / Origens do Rap/Funk no Brasil e nos Estados Unidos / Samba, negro e carnaval / O samba rural paulista / As origens do samba carioca / A folia de reis / O congado / Gênero, raça, feminismo e juventude no movimento Hip-Hop
Textos – GOMES, Tiago de Melo. “Lutando por uma democracia-racial. Raça e nação na trajetória da Companhia Negra de Revistas”.In. GOMES, Tiago de Melo. Um espelho no palco: identidades sociais e massificação da cultura no teatro de revistas dos anos de 1920. Campinas, São Paulo, Editora da UNICAMp, 2004. SEVCENKO, Nicolau. Orfeu Extático na Metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, pp. 240-244.
VIANNA, Hermano. O mistério do Samba. Rio de Janeiro: Zahar/UFRJ, 1995.
14 de junho – Cultura política, cinema e teatralidade negra na diáspora africana.
A personagem negra no cinema e no teatro brasileiro / O cinema novo e o negro / Filmes: Rio Zona Norte, Assalto ao trem pagador. O cinema brasileiro contemporâneo e o negro / Filmes: Filhas do Vento, A negação do Brasil e o cinema de Joel Zito Araújo / O cinema feijoada e os cineastas negros paulistas / A mulher negra e o cinema / O TEN Teatro Experimental do Negro / A negritude brasileira: Abdias do Nascimento, Guerreiro Ramos, Edison Carneiro.
NASCIMENTO, Elisa Larkin. “Teatro Experimental do Negro: tramas, textos e atores”. In. LARKIN Nascimento, Elisa O Sortilégio da cor. Identidade, raça e gênero no Brasil.São Paulo, Selo Negro Edições, 2003.
NASCIMENTO, Abdias, Sortilégio – mistério negro. In Drama para negros e prólogos para brancos. Rio de Janeiro: Ed. do Teatro Experimental do Negro, 1961. Exibição do documentário A negação do Brasil, de Joel Zito Araújo, 2000, 90 minutos.
ARAÚJO, Joel Zito. Cap 1. A Negação do Brasil : O negro na telenovela brasileira. São Paulo, Ed. SENAC, 2000.
RODRIGUES, João Carlos . O negro e o cinema brasileiro. Rio de Janeiro, Pallas, 2001.
21 de junho – Exibição e debate do filme Família Alcântara, de Daniel Solá Santiago e Lilian Solá Santiago. 54min, 2004.
CONVIDADA – Lílian Solá Santiago – Historiadora e mestre em Integração da América Latina (USP), atua na área cinematográfica desde 1994. Atualmente dirige o vídeo documentário: Uma cidade chamada Tiradentes;, sobre o bairro Cidade Tiradentes, o maior conjunto habitacional da América Latina. Como produtora, Lilian participou de diversos trabalhos entre eles Latitude Zero, de Toni Venturi premiado como melhor roteiro no Festival de Brasília (2000) além de 6 prêmios internacionais; Vista a minha pele, de Joel Zito Araújo (2003), entre tantos outros. Como diretora, realizou Balé de Pé no Chão, um curta-metragem inédito, ganhador do Prêmio Palmares de Comunicação (2005).
28 de junho – Avaliação, encerramento e entrega de certificados.
BIBLIOGRAFIA
ABDALA JR. B. Literatura, história e política, São Paulo: Ática, 1989.
ANDERSON, Benedict. 1989. Nação e Consciência Nacional. São Paulo, Ática.
ALMEIDA, C. A, Cultura e Sociedade no Brasil: “1940-1968”. São Paulo. Editora Atual, 2000, p. 28.
APPIAH, Kwame Anthony (1997). Na casa de meu pai. Rio de Janeiro, Contraponto.
Atlas Geográfico Mundial. São Paulo, Folha de São Paulo, 1994.
BANTON, Michael. A Idéia de Raça. Lisboa, Ed. 70, 1979.
BASTIDE, R. "A Imprensa Negra do Estado de São Paulo". Boletim de Sociologia, nº 2, FFLCH/USP, São Paulo, 1951, pp. 50-78.
BERND, Z. O que é Negritude. Editora Brasiliense, São Paulo, 1988.
BHABHA, Homi (2003). O local da cultura. Belo Horizonte, Editora UFMG.
BROOKSHAW D. "Raça e Cor na Literatura Brasileira", Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983, p.169.
CHAVES, R. A formação do Romance Angolano. São Paulo: Via Atlântica, 1999.
CHAVES, R. Angola e Moçambique: Experiência colonial e Territórios Literários. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2005.
CHATTERIEE, Partha. Colonialismo, Modernidade e Política. Salvador, EDUFBA, 2004.
COSTA E SILVA, Alberto (1992). A enxada e a lança. A África antes dos portugueses. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.
____________ _________ . A manilha e o Liambo. A África e a escravidão, 1500 a 1700. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2002.
____________ ________. Um rio chamado Atlântico. A África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2003.
COPPENS, Y. A Hominização: Problemas Gerais, in Joseph Ki-zerbo (Org), Metodologia e Pré-História da África, História Geral da África, São Paulo: Ática, São Paulo: Ática/UNESCO, 1982.
DOMINGUES, P. J Negros de almas brancas? A ideologia do branqueamento no interior da comunidade negra em São Paulo, 1915-1930. Estudos Afro-asiáticos, 2002, vol.24, n.3, p.563-600.
FALCON, Francisco J. & MOURA, Gerson. A formação do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro, Ed. Americana, 1974.
FONTES, M - Evan-Pritcherd, E.E. - Sistemas políticos africanos - Fundação Caloustre Gulbenkian, Lisboa, 1981.
FERNANDES, Florestan. A integração do Negro na Sociedade de Classes, São Paulo: Ática, 3ªed. 1978.
____________ ________ O negro no teatro. In: Teatro Experimental do Negro, testemunho. Ed. GDR, São Paulo, 1966.
FONSECA, Dagoberto J. & FONSECA, Nilde da S. A presença-Ausência Afro-brasileira: escola e livro didático In Uma Divida, Muitas Divídas: Os Afro-brasileiros querem receber, V. C. de Souza JR (org), São Paulo: Atabaque/Solidaried ade, 1998.
GILROY, Paul. O Atlântico negro. Rio de Janeiro, UCAM/Editora 34, 2001.
GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo - Intelectuais negros e modernidade no Brasil. Centre for Brazilian Studies, University of Oxford, Working Paper, 2003.
HAMPATÊ BÁ, A Tradição Viva, In Metodologia e pré-história da África, História Geral da África, Joseph Ki-zerbo (org), São Paulo: Ática/UNESCO, 1982.
HANCHARD, M. Orfeu e Poder. Movimento Negro no Rio e São Paulo. Rio de Janeiro, Ed. UERJ/UCAM - Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001, p. 243.
HOBSBAWN, Eric J. 1988. A Era dos Impérios: 1875-1914. Rio de Janeiro, Paz e Terra.
HOLLANDA, H.B. e GONÇALVES, M.A. Cultura e participação nos anos 60. 6a ed. São Paulo, Brasiliense, 1987, pp. 8-11.
JACQUARD, Albert. Elogio da Diferença. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
Jr. CUNHA, Henrique. África e Diáspora Africana. Apostila do Curso de Redações Raciais e Sociedade Brasileira. ABREVIDA e Prefeitura de Município de São Paulo. 1991.
Ki-Zerbo, I. História Geral da África. Editora Ática, 1981, São Paulo, SP, Brasil.
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 1979.
____________ _. Em defesa da Revolução Africana. Lisboa, Livraria Sá da Costa Ed., 1980.
FORD. CLYDE W. O Herói com Rosto Africano: Mitos da África. São Paulo: Selo Negro, 1999.
HAMILTON, G. H. Literatura Africana Literatura necessária, 2 vols., Lisboa: Edições. 70, 1981 e 1983.
LOVEJOY, Paul E. (2002). A escravidão na África: uma história de suas transformações. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
MAGDOFF, H. Imperialismo: Da Era Colonial ao Presente. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979. Caps. 1 e 2.
MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1977.
MUNANGA, Kabenguele. Negritude usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1988.
MENDES, M. G. A personagem negra no teatro brasileiro. São Paulo: Ática, 1982.
M' BOKOLO, Elikia (2003). África negra. História e civilizações. Até ao Século XVIII. Lisboa, Vulgata.
MOURA, C. & FERRARA M. N. Imprensa Negra. São Paulo: Imprensa Oficial de São Paulo S/A IMESP, Ed. Fac-Similar, 2002.
NASCIMENTO, Elisa Larkin. Introdução às antigas civilizações africanas, In Sankofa: matrizes africanas da Cultura Brasileira, (org) NASCIMENTO, Elisa Larkin UERJ, Rio de Janeiro, 1996.
OLIVA, A. R. A História da África nos bancos escolares. Representações e imprecisões na literatura didática Estudos afro-asiáticos. vol.25 no.3 Rio de Janeiro 2003
OLIVER, Roland. 1994. A Experiência Africana. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.
PASCHKES, M. L. de A. A ditadura salazarista, Editora Brasiliense, São Paulo, 1985.
PEREIRA, J. M. N. (1978). "Colonialismo, racismo, descolonização". Estudos Afro-Asiáticos, nº 2, pp. 16-29.
POUTIGANT, P & STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade seguido de Grupos Étnicos e suas fronteiras de Frederick Barth. São Paulo, UNESP, 1998.
POLIAKOV, Leon. O mito Ariano. São Paulo: Perspectiva/ Edusp, 1974.
PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
RAMOS, Artur. As culturas negras no Novo Mundo, 4ªed. São Paulo: Editora Nacional, 1979.
RODNEY, Walter. Como o Europeu Subdesenvolveu a África. Editora Nova Seara, 1975, Lisboa, Portugal.
SAID, Edward W. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Cia das Letras, 1996.
SALVADOR, J. G. Os Magnatas do Tráfico Negreiro – séculos XVI e XVII – São Paulo, EDUSP, 1981.
SARTRE, J. P. Reflexões sobre o racismo. Trad. Guinsburg, J. Difusão Européia do Livro, 4ªed., São Paulo, 1965.
SODRÉ, N. W. Formação histórica do Brasil, 14ª ed. – Rio de Janeiro: Grafia, 2002, p. 392.
SUSSEKIND, F. O negro como arlequim: teatro e discriminação. Rio de Janeiro, Achiamé, 1982.
TRINDADE, S. Cantares ao meu povo. São Paulo: Brasiliense, 1981.
VERGER, Pierre. Fluxo e Refluxo: do tráfico de escravos entre o golfo de Benin e a Bahia de todos os Santos – do século XVII a XIX. Corrupio, São Paulo, 1987.
YAZBEK, M. Argélia: A guerra e a independência, Editora Brasiliense, São Paulo, 1983.
WESSELING, H.L. 1998. Dividir para Dominar. A Partilha da África: 1880-1914. Rio de Janeiro, UFRJ/Revan.