Divulgando oportunidades educacionais desde 08.02.2008

Seguidores do Só Cursos Grátis


Pesquisa personalizada

Siga por email

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Palestra "Capitais migrantes, Poderes peregrinos: A mudança da capital da colônia, Salvador para o Rio de Janeiro, capital do Vice-Reinado (1763)"

Palestrantes: Profª. Bárbara Freitag

Local : Auditório do CRH / UFBA – (Federação)

Data : 15/07/2009

Horário : 18h

Barbara Freitag nasceu em 1941 na Alemanha e viveu sua infância e juventude no Brasil. Estudou sociologia, psicologia e filosofia nas universidades de Frankfurt/M. e Berlim. Doutorou-se na Universidade Técnica de Berlim e fez sua livre-docência na Universidade Livre de Berlim. Lecionou nessas e em outras universidades européias. No Brasil trabalhou na UnB de Brasília (1972-2003) como professora titular, recebendo, em 2006, o título de “Professora Emérita”. Também foi professora visitante da USP, UNESP, UFPR, UFBA, entre outras. Na UNESCO ocupa a cátedra intitulada “Cidade e Meio Ambiente”. Barbara Freitag tem inúmeras publicações na Alemanha, França e no Brasil, destacando-se seus estudos no campo da política educacional brasileira (Escola, Estado e Sociedade; Sociedade e Consciência; Diário de uma Alfabetizadora); no campo da teoria sociológica (Teoria Crítica: ontem e hoje; Itinerários de Antígona; Dialogando com Jürgen Habermas); no campo da sociologia urbana (Cidade e Literatura, A Cidade dos Homens, Itinerâncias urbanas). Desde o ano 2000 coordena um projeto de pesquisa integrada (financiado pelo CNPq) que estuda a transferência das capitais brasileiras. Segundo Maria Francisca Pinheiro, Barbara Freitag “se encontrou” no tema da cidade: “Para ela, a cidade é mônada, no sentido de W.Benjamin, metonímia, figura síntese da sociedade, para onde convergem todas as linhas de força do mundo moderno e pós-moderno. Cidade é história, geografia, arquitetura, pintura, literatura. Cidade é urbanidade, que vem de urbs, é política, cuja raiz é polis e é cidadania, cuja raíz é civitas.”. A palestra "A mudança da capital da colônia, Salvador para o Rio de Janeiro, capital do Vice-Reinado (1763)", refere-se a um dos capítulos do seu novo livro "Capitais migrantes, Poderes peregrinos", fruto de pesquisa, financiada pelo CNPq "Itinerâncias urbanas", iniciada em 2000 e em conclusão em 2009 com essa e outras publicações.