Divulgando oportunidades educacionais desde 08.02.2008

Seguidores do Só Cursos Grátis


Pesquisa personalizada

Siga por email

quinta-feira, 13 de março de 2008

Caminhada: Paz. É a igualdade social quem faz! - BA

Paz

É a igualdade social quem faz!

No próximo dia 15 de março, a partir das 9h, toda comunidade do Nordeste de Amaralina realizará uma caminhada em nome das dezenas de jovens, pais e mães de famílias mortos, todas os dias, pela violência. No último final de semana, a comunidade alcançou a lamentável marca de nove homicídios. Essa situação, embora divulgada nas páginas policiais dos grandes jornais e nos programas sensacionalistas e populistas da TV, não tem gerado nenhuma ação efetiva por parte dos poderes públicos. Apesar da dor, do medo, e da quase descrença na justiça, nós ainda acreditamos que, coletivamente, podemos fazer ouvir a nossa voz.

A Região Nordeste de Amaralina (RNA) pertencente à Região Administrativa VII da cidade de Salvador. Rodeada por bairros de classe média alta, como Pituba, Itaigara e Rio Vermelho, é constituída pelos bairros da Santa Cruz, Vale das pedrinhas, Nordeste de Amaralina e Chapada do Rio Vermelho. Numa área de 203 ha, de terreno acidentando, moram 82.976 pessoas, configurando uma densidade demográfica de 408 hab/ha. A população é predominantemente afro-descendente e jovem. De acordo com os dados do IBGE, 88% da população da Região Nordeste de Amaralina é parda ou negra, 49% das pessoas têm menos de 25 anos e apenas 9% da população tem acima de 55 anos. A faixa mais populosa se concentra entre os 10 e 19 anos.

O problema da moradia se associa à baixa escolaridade da população. Apenas 38% dos moradores estão na escola, sendo que 61% ainda não completou o Ensino Fundamental, correspondente a oito anos de estudo, e 24% sequer terminou as séries iniciais. O estudo revela mais um paradoxo: o número de instituições de ensino, públicas e comunitárias, disponível à população em idade escolar é insuficiente, embora sejam altas as taxas de evasão de quem conseguiu uma vaga para estudar. Isto revela que o problema da universalização da educação passa não apenas pela oferta, mas pela possibilidade de diálogo com a realidade local, sendo capaz de atrair e fixar esse público na escola.

A situação do trabalho, consequentemente, é gravíssima. O índice da população economicamente ativa com ocupação e renda é inferior ao da cidade de Salvador (49,5%), considerada uma das capitais com maior número de desempregados. Apenas 39% desse contingente (32.627 pessoas) está empregado ou desenvolvendo atividades remuneradas.

Num cenário como este, já era esperado que a violência e, de maneira geral, a supressão dos direitos humanos ganhassem uma força quase incontrolável. Pesquisa realizada pelo Fórum Comunitário de Combate à Violência (UFBA) e associações locais revela que a região Nordeste de Amaralina encabeça as áreas onde o homicídio é a principal causa mortis, ou seja, um problema de saúde pública. Em 2000, das 116 mortes por causas violentas ocorridas na Região, 34% ocorreram por homicídio. Numa escala crescente, esses homicídios vitimam principalmente jovens e adolescentes, negros ou pardos, com grau de instrução, predominantemente, limitado ao 1º grau e pobres.

Embora não possamos pincelar esta realidade com cores mais amenas, pois se trata do retrato perverso de desenvolvimento implementado pela globalização, ela ainda possui nuances, que acreditamos necessitam ser externadas, valorizadas e potencializadas. Destacamos, portanto, o valor das ações culturais desenvolvidas pelas organizações da comunidade, que de forma assistemática, mas constante, oferece atividades de lazer, espaço de integração, e a oportunidade para crianças e jovens expressarem seus talentos, sonhos e inquietações, de maneira salutar e prazerosa. Vale ressaltar, ainda, a presença do Estado através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (SEDES), oferecendo atividades educativas e culturais no Centro Social Urbano, tais como: cursos, palestras, oficinas, infocentro, biblioteca. Embora importante, ainda se faz necessária a presença de outras secretarias estaduais e municipais, ampliando e integrando a ação do Estado numa área de risco social.

Assim, nós, jovens do Nordeste de Amaralina, do Movimento Estudantil, do Movimento Cultural, do Esporte, das Organizações Comunitárias, e do Centro Social Urbano, convidamos você a participar dessa atividade, que reafirma o diálogo com as instâncias do Estado e o fortalecimento da organização comunitária contra as mais variadas formas de violência.

Caminhada: Paz. É a igualdade social quem faz!

Onde: Da Praça Anna Sironni, no Vale das Pedrinhas, até o Largo do Rio Vermelho

Horário: 9h